Sofrimento por doenças crônicas

Adocer é uma forma anormal de vida e todo homem quando adoece adoece como um todo, corpo e mente. Não há território algum de nosso organismo que não seja penetrado de alma e o sofrimento por doenças, o temor de nos tornarmos dependentes ou incapazes e o temor de nossa morte nesta jornada estão sempre presentes mesmo  que relutemos em reconhecer que eles exista dentro de nós e gritem somente dentro de nosso ser, enquanto parecemos fortes e conformados para nossa família e para  mundo. Doenças mudam nossa história, nossa biografia, nossos sentimentos e mudam, assim, a maneira que olhamos para o mundo a nosso redor.

Pessoas com doenças graves, submetidos a tratamentos longos e difíceis necessitam de um apoio diferenciado, pois, mesmo que dependentes e gravemente comprometidos fisicamente e/ou mentalmente, continuam a ser PESSOAS INTEIRAS até o seu último suspiro.  Viver até o último dia como se tivéssemos um grande projeto a realizar, ampliando nossos horizontes sem nunca permitir que se perca o sentido da nossas vida, de nosso sofrimento e até mesmo o sentido de nossa  morte é o foco de um médico que trata de pacientes graves e muitas vezes sem chance de cura, mas com chances de grandes melhorias em sua vida – a vida deve ser vista e aceita plena de sentido e significado até o fim, cuidando de todo o desconforto físico e estando sempre renascendo a cada dia.

” (…) há que dizer SIM à vida.”
(V. Frankl)